o        O PTFE é quimicamente inerte, com boa resistência mecânica e elétrica e apresenta ótimo comportamento em temperaturas mais elevadas. Entre os plásticos de engenharia, ele destaca-se por ser de fácil usinagem e aceitar aditivos, o que lhe permite múltiplas possibilidades de aplicação. É um material semicristalino, insolúvel, infusível e anti-aderente.

Suas principais propriedades são:

Resistência química: é quimicamente inerte. Somente os metais alcalinos fundidos e o flúor (trifluoreto de cloro ou difluoreto de oxigênio) podem alterar sua estrutura físico-química;

Anti-aderência: nada adere a sua superfície. Mas se fizer necessário, pode-se proporcionar a colagem através de um tratamento químico;

Mecânica: possui o mais baixo coeficiente de atrito dentre todos os materiais sólidos. Não há diferença entre seu coeficiente de atrito estático e dinâmico;

Térmica: alta resistência à temperatura, sendo de até 260ºC em trabalho contínuo e até 360º C por períodos limitados, mas com perdas de propriedades mecânicas;

Elétrica: possui propriedades dielétricas constantes em todas as freqüências.

O PTFE pode ser composto de:

Cargas minerais e metálicas: eleva suas propriedades mecânicas;

Fibra de vidro: com 15% ou 25% de fibra de vidro, o que melhora sua resistência ao desgaste, à deformação e à oxidação. Porém é atacado por bases fortes;

Grafite: diminui o coeficiente de fricção e melhora a resistência ao desgaste em altas cargas e velocidades de contato. Com a adição de M0S2, aumenta a dureza e rigidez, diminuindo o coeficiente de fricção. Mas geralmente é incorporado com outras cargas;

Bronze: aumenta a resistência à compressão e dureza; baixa o desgaste à fricção. É bastante utilizado em barramentos de máquinas operatrizes. Além disso, diminui a resistência química e torna-se condutor elétrico.